25 de ago de 2010

Uma parábola calvinista


Suponha que vocês estão em uma prisão condenados eternamente pelos seus atos e transgressões e não há ninguém que queira pagar a fiança.

Então aparece um Homem e diz: Quero pagar a fiança destes homens!
O delegado pergunta: De todos eles?

O Homem diz: Não! Só daqueles três homens ali no canto.
Delegado: Então você não pode pagar por todos?
Homem: Posso pagar por todos, mas só quero estes.
Delegado: E vai condenar os outros a prisão eterna?
Homem: Eles apenas receberão o pagamento pelo seu pecado.
Delegado: Você é injusto!
Homem: Injusto, eu? Só haveria justiça se salvasse a todos? Não os coloquei ai, eles que se colocaram neste estado, disse que se me desobedecessem iriam parar na prisão, mas deram ouvidos a um mentiroso que andava na fazenda e me desobedeceram. Deixando-os ai mostro minha justiça, pois pagarão pelos próprios atos, e com estes três mostro minha misericórdia, pois os livrarei do cárcere.
Delegado: Mas porque só estes três?
Homem: Porque eu os quero, escolhi para mim, construi uma nova fazenda e quero levá-los comigo.
Delegado: Mas estes pecaram como os outros, o que eles fizeram para merecer isto?
Homem: Nada! Decerto que merecem a prisão, mas o que tem você se eu que sou misericordioso quero levá-los.
Delegado: Se fosse misericordioso levaria todos, não?
Homem: Não! Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia.
Delegado: Mas o preço é alto e até hoje ninguém pôde pagar.
Homem: Eu pago com minha vida.
Delegado: Ok! Vou tirar os três.
Homem: Não! As chaves da prisão são minhas, tiro quem eu quiser. E em verdade te digo que os que eu escolher Jamais voltarão à prisão, pois o valor está quitado.

O Homem então chega à cela, abre e tira três homens que já havia escolhido. Então um dos que ficaram pega em seu braço e diz: Senhor! Senhor! Em tua fazenda trabalhamos e fizemos o que disseste e agora nos deixa na prisão? Então o Homem fala:

Apartai-vos de mim praticantes de iniqüidade, nunca vos conheci. Estão ai pelos seus atos não pelos meus.”



***
À todos aqueles que ainda afirmam a Soberania de Deus nestes dias de cristianismo antropocêntrico.
______________________________

11 comentários:

Marcos Aurélio Melo disse...

Bem interessante a proposta de colocar em parábola a graça do Deus soberano! Parabéns!

Anônimo disse...

Ainda bem que é uma parábola calvinista e não Bíblica! Uffa.

Abraços

Anônimo disse...

Ainda bem que é uma parábola calvinista e não Bíblica! Uffa.

Abraços
f.matoso@globo.com

Pastor Menga disse...

Prezado Marcos Melo,
Eu também achei muito interessante.

Aliás, existe um livro simplesmente fantástico, que fala das doutrinas da graça, 'apelidadas' de calvinista, em formtado de novela. "Uma Jornada na Graça". Eu recomendo.

Um forte abraço

Pastor Menga disse...

Prezado F. Matoso,
Graça (soberana) e Paz.

Lamento informá-lo que por ser uma parábola, tem todos os aspectos dos fatos reais da vida, como são todas as parábolas.

Como eu usei o texto, como foi publicado na fonte, não seria correto mudar o título.

Eu o mudaria sim, pois o próprio Calvino não era calvinista, mas bíblico.

Então o título correto, penso eu, deveria ser: "Parábola acerca do homem que procura, mas não encontra. Que pensa que pode, mas nada consegue!"

Obrigado pelo comentário.

Um forte abraço

Paulo Brasil - Atraves das Escrituras disse...

Amado Pastor,

boa a parábola.
apenas gostaria se caberia questionar quem seria o delegado na parábola.

Em Cristo.

Pastor Menga disse...

Querido Paulo,

Eis aí uma boa questão a se levantar.

Está, então, colocada a questão para se pensar.

Um forte abraço

Cristine Ferreira disse...

A verdadeira conversão dá segurança à pessoa, mas não lhe confere o direito de parar de vigiar.Que Deus continue lhe abençoando.Espero sua visita.

Pastor Menga disse...

Com certeza.
Obrigado por seu comentário.

Farei sim, uma visita ao, Seguindo os Passos do Mestre.

Abraços,

darci oliveira disse...

Olá,
quero comentar a parábola, amigos:
acho-a interessante sim! mas cabe perguntar: se há predestinação para perdidos antes de nascerem e pecarem, então onde estaria a justiça do homem que disse estão aí por seus próprios atos? não seria ele mesmo cúmplice pelo pecado dos presos? logo em que residiria a justiça se não desse a todos uma chance? isso não seria um PARADOXO? e ademais: em que se vingaria se predestinou tudo, bem e mal, sem escape? são só reflexões ainda não explicadas pelos calvinistas. assim, aconselho a olharem para a soberania sem igual de deus, mas também para sua justiça não contraditória; sua misericórdia e amor, sua bondade e graça.pelo modo apresentado, a parábola parece contraditória!

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo quer nele crê não pereça..." "Mas os homens amaram mais as trevas do que a luz..." Por isso nem todos irão se salvar...A chance foi dada na cruz... E isso não reduz a soberania do criador...Afinal: ele fez o ser humano, não seria errado acreditar que a mesma soberania o dotasse de escolha, e, mesmo assim, a glória continua sendo toda dele
HOSANAS!

Pastor Menga disse...

Prezada Darci,
Graça e Paz.

Obrigado por sua visita ao SOBERANA GRAÇA e comentário, e questões levantadas.

Se me permite, não quero ser um defensor da parábola (visto que esta até poderia ser contraditória, por ser de autoria humana), mas quero defender o conceito por traz da parábola.

Peço que se lembre do que diz em Romanos 3:9-18,23,24,25,26.

Primeiramente, Deus mesmo encerrou toda a humanidade, (Gn 3) os vivos e os que ainda nesceriam, debaixo de Sua condenação. Aí está a justiça de Deus. Não em salvar uns e outros não.

Neste caso, para aqueles a quem Ele mesmo escolheu, separou, chamou e salvou (Rm 8:29), é manifesta Sua graça bendita e Sua misericórdia (Rm 9:14-25)

Deus não predestinou o mal, mas encerrou todos debaixo da condeção por causa do pecado VOLUNTÁRIO de todos. Nós inclusive.

Lembre-se, a Justiça de Deus é aplicada na condenação de toda a humanidade, sem distinção. A Sua Misericórdia e Graça Especial, é derramada somente sobre aqueles que Ele quis salvar. (insisto, leia Rm 9:14).

É diferente quando falamos da Justificação. Por causa de Cristo, somos justificados por Deus. É a justiça de Cristo que foi dada a nós.

Observe João 3:18 - "... O que não crê, JÁ ESTÁ condenado..." (minha enfase).

A Soberania de Deus está em usar de misericórdia com quem Ele quer.

Veja, esta doutrina, que é bíblica, pois preserva em todos os aspectos a Soberania de Deus, não é facilmente compreendida pois tendemos a olhar com nossos olhos e padrões de justiça. Olhe com os olhos de Deus.

Recomendo a leitura de um livro excelente da Editora Fiel, Uma Jornada na Graça.

Um forte abraço,
Pr. Menga