20 de dez de 2009

COMO CHEGAR A DEUS?

Labirinto
“Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!” – Romanos 11:33

Todos os caminhos levam a Deus?


O que diz a igreja Católica Apostólica Romana?

  1. A Igreja católica é a salvação prometida pelo Salvador; é a porta do céu;
  2. A Igreja católica é o Reino de Deus, reino triunfante no céu; reino padecente no purgatório, reino militante na terra;
  3. A Igreja católica é a arca fora da qual ninguém se salva, sendo todos - como no dilúvio - arrastados pelas ondas em furor;
  4. A Igreja católica é a ponte que liga a terra ao céu, e onde os homens devem passar para, da terra, subirem ao céu;
  5. A Igreja católica é o farol luminoso, que Deus colocou à beira da estrada humana, para indicar aos homens a verdade e a virtude;
  6. A Igreja católica é a árvore frondosa, em cujos ramos as aves do céu, que são os santos, fazem seus ninhos;
  7. A Igreja católica é uma instituição que mantém a unidade através do Papa;
Segundo o conceito humano, pluralista, todos os caminhos levam a Deus, porque, se você for sincero em tudo o que fizer, viver uma vida de boas obras, cumprir com suas obrigações diárias sem fazer mal a ninguém, então, certamente, você está no caminho certo.

Para outra parcela da humanidade, moderna, humanista, Deus não existe! Não existem caminhos que levam a Deus, simplesmente porque isso é uma fantasia criada pela mente de alguém que tem grandes carências emocionais ou então porque existem pessoas com forte poder de persuasão, que se valem da mente fraca de grande parte das pessoas.

Agora, se olharmos para o mundo a nossa volta, com todos os problemas que o mundo enfrenta, com as necessidades e dificuldades cada vez maiores de sobrevivência do ser humano, correndo atrás de dinheiro para sobreviver, enfrentando doenças cada vez mais difíceis de serem curadas, o ser humano cada vez menos sociável e incluso em si mesmo e em seus próprios interesses, onde o que realmente tem valor é o sucesso profissional e financeiro, eu pergunto: Será que o homem moderno está em busca de Deus? Será que as religiões, estão sendo capazes de suprir as carências e necessidades do homem moderno?
  • Vale a pena, em meio a tudo isso, gastarmos o tempo, com coisas invisíveis, subjetivas, enquanto que as nossas necessidades físicas, familiares e de sobrevivência, são cada vez mais urgentes e difíceis de suprir?
  • Será que o humanismo moderno, o materialismo, está certo afinal? E nós fazemos parte dessa grande parcela de mentes fracas, conduzidas e levadas por espertalhões como bonecos de fantoche?
  • Será que realmente estamos em busca de Deus? E que o caminho que estamos trilhando, é o caminho certo?
Façamos uma lista das necessidades do homem moderno. Liste tudo que o homem necessita para sobreviver neste mundo: “......”


CARACTERÍSTICAS DA HUMANIDADE ANTICRISTÃ EM 2 TIMÓTEO 3


Em sua segunda carta a Timóteo, Paulo descreve profeticamente a seu amigo e companheiro missionário o caráter daqueles que estariam inseridos até mesmo no seio das igrejas, ostentando religiosidade, não experimentando, porém, qualquer transformação que uma vida religiosa real pudesse trazer.

Assim Paulo informa que os tempos finais seriam extremamente difíceis para os que professam a verdadeira fé e vida cristã.

"Sabe, porém, isto: nos últimos dias sobrevirão tempos difíceis,...” – 2 Timóteo 3:1,2
Pelo Espírito, Paulo prediz que nos tempos finais haveriam dificuldades por causa das características daqueles homens, que tornariam estes momentos difíceis, trabalhosos, dificultosos. A versão parafrásica da Bíblia Viva traz: “...nos últimos dias vai ser difícil ser cristão.”

O idioma grego informa que os últimos dias serão momentos insuportáveis calepovß (khal-ep-os’ ou seja: “malévolos”, “desagradáveis”, "difíceis de levar”). Isto porque os cristãos encontrariam não só em meio à humanidade geral, mas também imerso nas igrejas cristãs um ambiente totalmente contrário à operação do Espírito, onde a religiosidade não terá qualquer efeito sobre os indivíduos e seu controle da impiedade e desejos carnais.

Paulo apresenta, resumidamente, dezoito características encontradas em certos indivíduos religiosos, que não serão poucos, em meio às congregações, aparentando conversão, professando conhecer a Deus, negando-o, contudo, por suas obras (Tito 1:16), sendo abomináveis. Como serão tais homens? Paulo enumera dezoito características desta humanidade anticristã, falsamente religiosa:
  1. Amantes de si mesmo (egoístas, egocêntricos)
  2. Amantes do dinheiro (gananciosos, avarentos)
  3. Presunçosos (jactanciosos, arrogantes)
  4. Soberbos (altivos, convencidos)
  5. Blasfemos (insultuosos, xingadores)
  6. Desobedientes aos pais (insubmissos)
  7. Ingratos (desgraçados)
  8. Ímpios (irreligiosos, sacrílegos)
  9. Sem afeto natural (sem ternura)
  10. Implacáveis (irreconciliáveis)
  11. Caluniadores (maledicentes, facciosos)
  12. Incontinentes (intemperantes, sem domínio)
  13. Cruéis (selvagens, rudes, indócil)
  14. Inimigos do bem (ou dos bons)
  15. Traidores (traiçoeiros)
  16. Atrevidos (impetuosos, precipitados, temerários)
  17. Orgulhosos (enfatuados, inchados)
  18. Amigos dos prazeres mais do que de Deus
Este texto adverte que a situação global do homem como um todo, estaria em franca decadência, à medida que os apelos do mundo fossem cada vez mais ouvido e cada vez mais eficientes. Mas o pior, é que este texto nos revela a decadência humana dentro da própria igreja (ver 2 Timóteo 3:1-9).

O que isso pode significar?
  • Será que o caminho que entendemos ser o caminho para se chegar a Deus, é o caminho certo? – Como é possível que pessoas que estão trilhando o caminho até Deus, sejam reprovados dessa forma?
  • Será que até no nosso meio há pessoas assim?
  • O que está errado? O caminho que trilhamos? Ou os homens que andam por esse caminho?
  • E o que falar daqueles que vivem no mundo, mortos em delitos e pecados?
Voltemos para o texto de Romanos 11:33 – “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!”

O termo utilizado pelo Apóstolo, que traduzido por, “Ó profundidade”, revela por si só, que este campo de conhecimento é de uma profundidade tal, somente comparável ao fundo do mar. É o que o termo no grego bavqoß (bath'-os), quer dizer. E como nós sabemos, existem regiões, aonde a profundidade do mar chega a mais de 10.000 m., e homem nenhum conseguiu chegar devido às altas pressões. Esse é o lar de estranhas criaturas criadas por Deus.

Mas o Apóstolo nos diz que é nesse lugar, “inalcançável”, que se encontram as maiores riquezas para a nossa vida! João Calvino interpretava essa expressão, como sendo as “riquezas da sabedoria de Deus, que são demasiadamente profundas, para que a nossa razão seja capaz de sondá-las”.
Depois o Apóstolo continua falando dos “juízos” de Deus, que são insondáveis. Essa palavra no grego parece mais um daqueles “palavrões”, anexeraunhtov, (an-ex-er-yoo'-nay-tos) (fonética: anexeryuneitós), o que significa: “isso que não pode ser procurado fora”. Neste ponto o que seria este juízo de Deus?

No grego, a expressão “juízo”, referindo-se a Deus, são muitas coisas, tais como:
  1. Ato de Deus baseado em sua JUSTIÇA, pelo qual Ele condena ou absolve as pessoas (Salmo 97.2).
  2. Sentença dada por Deus (Jeremias 48.47).
  3. A Palavra de Deus, Suas leis e Suas promessas (Salmo 119.39).
  4. Na expressão "juízo final" ou outras semelhantes, o tempo em que Deus, ou o MESSIAS, julgará todas as pessoas, condenando os maus e salvando os JUSTOS (Salmo 1.5; Mateus 10.15; Atos 24.25).
  5. Julgamento feito de acordo com a vontade de Deus, no dia-a-dia e nos tribunais (Salmo 72.1; Provérbios 21.3).
  6. O próprio tribunal (Salmo 112.5).
  7. Boa saúde mental (Marcos 5.15; 2 Coríntios 5.13).
Portanto, podemos afirmar com toda a certeza, que o Apóstolo está dizendo que: “ninguém pode procurar a sua absolvição em outro lugar, senão, no lugar certo!

Agora ele fala dos “caminhos” de Deus, que são inescrutáveis, ajnexicnivastoß (an-ex-ikh-nee'-as-tos) (fonética: anéxrríatós), ou seja: “isso não pode ser procurado fora, isso não pode ser compreendido”. No sentido bíblico, os caminhos de Deus, que são as Suas ordenanças, quando obedecidas, levam o homem a viver corretamente. Parafraseando seria: Obedecendo as ordenanças divinas, age de maneira divina.

Para melhor entendermos o que o Apóstolo Paulo disse neste texto maravilhoso, poderíamos resumir da seguinte forma: “Os juízos de Deus, não são difíceis de descobrir, mas sim, totalmente impenetráveis. Os caminhos de Deus, não são difíceis de ser encontrados, mas simplesmente impossíveis de achá-los”.

Aqui eu respondo de forma bastante condensada, a todos os argumentos do homem, suas filosofias e conceitos, que é impossível para o homem encontrar a absolvição da sua culpa e viver uma vida digna por si só, por meio de seu esforço próprio e que por essa razão, ele está caminhando direto para o inferno, a não ser que ele encontre o caminho.

Mas qual é esse caminho?

Todos nós nos lembramos da saga de Jacó, que ao fugir da ira de seu irmão, quando a meio caminho, ele, ao dormir, tem um sonho ou a visão dos céus se abrindo. Ele então, vê uma escada, e nessa escada, ele via miríades de anjos que subiam e desciam. Leia Gênesis 28:12 – E sonhou: Eis posta na terra uma escada cujo topo atingia o céu; e os anjos de Deus subiam e desciam por ela.”

Ai está o caminho até Deus! A escada.

Mas onde encontrar essa escada? Ora, o texto diz que a escada está posta na terra, foi colocada na terra!
E o que, proveniente do céu, foi posta na terra? O Senhor Jesus Cristo, Ele é a escada, Ele é o caminho. Igualmente, em Romanos 5:1,2, lemos: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de quem obtivemos acesso pela fé a esta graça na qual agora estamos firmes.”

A palavra aqui, acesso, significa que somos levados diretamente ao refúgio da presença de Deus; entramos no Santo dos santos. Erwin Lutzer diz em seu livro, 10 mentiras sobre Deus, que toda entrada na presença de Deus, é mediada. Ou seja, que precisamos de alguém que possa representar nossos interesses assim como os da parte ofendida que, nesse caso, é Deus.
Ninguém chega a entrar no gabinete do Presidente da República, sem que seja introduzido por alguém da confiança do presidente. Da mesma forma, ninguém entra na presença de Deus, sem que Jesus Cristo o introduza.

Quando o soberano Deus decidiu destruir a humanidade por meio do dilúvio, Ele, na Sua provisão, determinou que Noé construísse uma arca, grande o bastante, para introduzir sua família e dois de cada espécie de animais para serem preservados.

Este seria o único meio de salvação. Este é um símbolo perfeito para a obra de Cristo. Ele é o único meio de salvação neste tempo que antecede a destruição final. Noé "pregava a arca" como a última chance. Nós pregamos a Cristo. Evidentemente, só entraria na segurança arca quem cresse na palavra de Noé. Entrar na arca era um ato público e subentende renúncia ao que ficava para trás. Tudo isso encontra paralelo na conversão a Cristo. Finalmente, cabe lembrar que a salvação pela arca foi comparada ao batismo pelo apóstolo Pedro em sua primeira epístola (I Pedro 3:20-21).

Agora eu pergunto: o que Jesus Cristo tem sido para a sua vida?

Nenhum comentário: